QUALIDADE – Internacional

05/06/2019

Padrões ISO suportam saúde para todos

Pelo menos metade da população mundial ainda não tem cobertura total dos serviços de saúde. Muitas famílias são forçadas a escolher entre cuidados de saúde e outras necessidades vitais, como comida ou moradia. A assistência médica é um direito humano fundamental, e é uma coisa que a ISO não aceita com leviandade.

Com 14 comitês técnicos dedicados ao campo da saúde e bem-estar, os padrões neste setor permitem que os sistemas de saúde comparem serviços, troquem informações, agreguem dados e protejam a privacidade do paciente. Alcançar a saúde para todos significa engajar as partes interessadas de todos os setores. Isso inclui pacientes, médicos, médicos, fabricantes, cientistas, formuladores de políticas e assim por diante.

A saúde afeta todas as nossas vidas e os benefícios de um sistema que funciona para todos são numerosos: crianças saudáveis â?<â?

"Os padrões nascidos do consenso internacional devem se tornar o elemento-chave para a regulamentação global em saúde", diz Alexey V. Abramov, chefe da Agência Federal de Regulamentação Técnica e Metrologia da Federação Russa. Ele continua: "Precisamos superar nossas contradições para tomar decisões que melhorem e apoiem os cuidados de saúde em todo o mundo ... para as gerações presentes e futuras". 

Os comitês técnicos da ISO têm trabalhado arduamente na formulação de padrões que protegem a saúde e a segurança de pacientes em todo o mundo. Por exemplo, ISO / TC 210, Gestão de qualidade e aspectos gerais correspondentes para dispositivos médicos, produziu 31 padrões relacionados ao gerenciamento de qualidade de dispositivos médicos, ajudando a garantir o design seguro e o desempenho de produtos médicos.

Além disso, o ISO / TC 215, Health Healthcare, desenvolve padrões que permitem que os dados fluam livremente entre os sistemas. Essa interoperabilidade terá impactos duradouros sobre como a informação do paciente pode ser transferida de um sistema para outro no futuro.

https://www.iso.org/news/ref2382.html

voltar