Notícias

05/04/2018 05:12

Armazenando corretamente os líquidos inflamáveis e combustíveis

Da Redação

 

A NBR 17505-2 de 07/2015 - Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis - Parte 2: Armazenamento em tanques, em vasos e em recipientes portáteis com capacidade superior a 3 000 L especifica os requisitos exigíveis para: o armazenamento de líquidos combustíveis e inflamáveis, como definidos na NBR 17505-1:2013, 3.62 e 3.65 e na Seção 4, em tanques estacionários com capacidade superior a 230 L e em tanques subterrâneos fixos; armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em tanques portáteis, cujas capacidades sejam superiores a 2 500 L; armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em recipientes intermediários para granel (IBC), cujas capacidades sejam superiores a 3 000 L; o projeto, a instalação, os ensaios, a operação e a manutenção dos tanques de superfície, subterrâneos, instalados no interior de edificações, portáteis e dos recipientes para granéis.

Conheça algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são os materiais de construção dos tanques de armazenamento?

Como deve ser realizado o planejamento e treinamento de emergência?

O que deve ser feito nos tanques de armazenamento em áreas sujeitas a inundações?

Como deve ser executada a inspeção e manutenção em tanques de armazenamento e seus acessórios?

Qual deve ser a cobertura para tanques de armazenamento subterrâneos?

O armazenamento de líquidos de classe II e de classe III aquecidos nas temperaturas iguais ou superiores aos seus pontos de fulgor deve seguir os requisitos para líquidos de classe I, a menos que uma avaliação de engenharia conduzida de acordo com a NBR 17505-5:2013, 4.4 e Seção 9 justifique o atendimento aos requisitos para alguma outra classe de líquido. Os tanques projetados para serem utilizados como tanques de superfície não podem ser usados como tanques subterrâneos e vice-versa.

Os tanques devem ser projetados e construídos de acordo com normas brasileiras ou com outras normas internacionalmente aceitas para o material de construção que esteja sendo utilizado. Os tanques devem ser adequados, de aço ou outros materiais não combustíveis, devendo estar de acordo com os requisitos aplicáveis mencionados.

Os materiais utilizados na construção dos tanques e seus acessórios devem ser compatíveis com o produto a ser armazenado. Em caso de dúvida sobre as propriedades do líquido a ser armazenado, deve ser consultado o fabricante do produto.

Os tanques construídos em materiais combustíveis podem ser aplicados, limitados a: instalações subterrâneas; uso onde as propriedades do líquido armazenado assim o exigirem; armazenamento de superfície de líquidos de classe IIIB em áreas não expostas ao derramamento ou vazamento de líquidos de classe I ou de classe II; armazenamento de líquidos de classe IIIB dentro de uma edificação protegida por um sistema automático de extinção de incêndio, aprovado pelas autoridades competentes.

Os tanques de concreto, sem revestimento, podem ser utilizados para o armazenamento de líquidos com densidade igual ou superior a 40° API. Tanques de concreto com revestimento especial podem ser utilizados com outros líquidos, desde que sejam projetados e construídos de acordo com normas brasileiras ou, na inexistência destas, de acordo com outras normas internacionalmente aceitas.

Os tanques podem ter revestimentos combustíveis ou não combustíveis. A seleção, a especificação e o tipo do material de revestimento e sua espessura requerida devem ser baseados nas propriedades do líquido a ser armazenado. Quando houver mudança nas características do líquido a ser armazenado, a compatibilidade do revestimento e do líquido deve ser verificada.

Devem ser adotados critérios adequados de projeto quando a densidade do líquido armazenado exceder a da água ou se o tanque for projetado para conter líquidos a uma temperatura abaixo de –18 °C. Os tanques com pressão de armazenamento acima de 100 kPa devem ser projetados e construídos de acordo com ASME Code ou outras normas internacionalmente aceitas.

Os vasos de pressão sujeitos a chama devem ser projetados e construídos de acordo com a Seção I (Caldeiras) ou Seção VIII, Divisão 1 ou Divisão 2 (Vasos de Pressão), como aplicável, do ASME Code. Os vasos de pressão não sujeitos a chama devem ser projetados e construídos de acordo com a Seção VIII, Divisão 1 ou Divisão 2 do ASME Code.

Os vasos de pressão que atendam aos requisitos especificados só podem ser utilizados se forem aprovados através de uma avaliação adequada de engenharia. Os vasos de pressão não podem ser operados com pressões acima de suas pressões de projeto. A pressão normal de operação não pode exceder a pressão de projeto do vaso.

Os tanques de armazenamento devem ser ventilados, para prevenir o desenvolvimento de vácuo ou pressão, que podem deformar o tanque ou exceder a pressão de projeto do tanque, quando o tanque estiver sendo enchido ou esvaziado ou por causa de alterações na temperatura atmosférica. Respiros normais devem ser localizados acima do nível máximo de líquido. Respiros normais devem ser previstos para os tanques primários e para cada compartimento primário de um tanque compartimentado.

Os respiros normais devem ser dimensionados de acordo com API 2000. Alternativamente, o respiro normal deve ser no mínimo maior ou igual ao diâmetro de entrada ou saída do produto, não podendo, em caso algum, ser inferior a 32 mm de diâmetro interno. Tanques de armazenamento atmosféricos devem ter um dispositivo adequado, para prevenir o desenvolvimento de vácuo ou pressão superior a 6,9 kPa, que é a sua pressão de operação máxima.

Os tanques de baixa pressão e os vasos de pressão devem ter um dispositivo adequado para prevenir o desenvolvimento de pressão ou vácuo, que exceda a pressão de projeto do tanque ou do vaso. Também devem ser previstos meios para prevenir sobrepressões oriundas de alguma descarga de bomba operando no carregamento do tanque ou vaso, quando a pressão de descarga da bomba puder exceder a pressão de projeto do tanque ou do vaso.

Se um tanque ou um vaso de pressão tiver mais de uma conexão de enchimento ou de esvaziamento em que possam ocorrer carregamentos ou descarregamentos simultâneos, a dimensão da conexão deve ser calculada para a vazão simultânea máxima. Os tanques equipados com respiros, que operem com pressões superiores a 17 kPa, os tanques de baixa pressão e os vasos de pressão devem ser projetados de modo a permitir que as descargas dos respiros e os drenos sejam dispostos de tal forma que se previna o superaquecimento localizado ou o contato de chama em qualquer parte do tanque ou vaso, no caso da ignição dos vapores expelidos.

Os tanques e os vasos de pressão que armazenem líquidos de classe IA devem ser equipados com dispositivos de ventilação normalmente fechados, exceto nos casos de operação sob pressão ou sob vácuo e nos tanques com teto flutuante ou tanques com selo flutuante. Para o gerenciamento de riscos de incêndio, a extensão dos procedimentos para prevenção e controle de incêndios e explosões e as medidas previstas para instalações de armazenamento com tanques deve ser determinada por meio de uma avaliação de engenharia das instalações e das operações, seguida pela aplicação de princípios de engenharia de processo reconhecidos para proteção contra incêndios e explosões.

A avaliação deve incluir, e não se limitar, o seguinte: análise dos riscos para incêndio e explosão das instalações; análise das condições locais como exposição para as propriedades adjacentes, potencial para inundações ou potencial para terremotos, sendo delimitados os limites da propriedade e as instalações adjacentes, potencial de inundação ou potencial de abalos sísmicos; o tempo de resposta do Corporação de Bombeiros ou do plano de auxílio mútuo.

As instalações com tanques de armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis devem ser revisadas para garantir que os riscos de incêndio e explosão resultantes de uma liberação dos líquidos estejam de acordo com os correspondentes planos de prevenção e de ação de emergência contra incêndio. Os tanques subterrâneos, bem como os tanques sob edificações, devem ser localizados respeitando-se as fundações e colunas das edificações, para que as cargas sustentadas por estas não sejam transferidas para o tanque.

Os tanques subterrâneos podem ser instalados em área externa ou no interior de edificações. A distância de qualquer parte do tanque subterrâneo armazenando líquidos de classe I, em relação à parede mais próxima de qualquer construção abaixo do solo ou poço, não pode ser inferior a 0,6 m, e a distância a qualquer limite de propriedade onde haja ou possa haver construção não pode ser inferior a 1 m.

A distância de tanques subterrâneos, armazenando líquidos de classe I, aos limites de propriedade onde haja ou possa haver construções não pode ser inferior a 1 m. A distância de qualquer parte de um tanque subterrâneo armazenando líquidos de classe II ou de classe III, em relação à parede mais próxima de qualquer construção abaixo do solo ou poço, não pode ser inferior a 0,3 m, e a distância a qualquer limite de propriedade onde haja ou possa haver construção não pode ser inferior a 1 m.

voltar