Notícias

09/11/2017 04:37

A segurança de máquinas fragmentadoras para plásticos

Da Redação

 

A NBR 15107 de 09/2017 - Máquinas fragmentadoras para plásticos — Requisitos de segurança para moinhos granuladores e trituradores estabelece os requisitos de segurança para máquinas fragmentadoras para plásticos (moinhos granuladores e trituradores) que se iniciam na abertura de alimentação, ou dispositivo alimentador, se este for parte integrante da máquina, e terminam no bocal de descarga. Aplica-se aos perigos causados somente pelo processamento de materiais plásticos e às máquinas fabricadas a partir da data da entrada em vigor desta norma.

Confira algumas perguntas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais os perigos significativos e principais fontes de riscos?

Quais são as partes relacionadas com a categoria de segurança do sistema de controle?

Quais os métodos de verificação de segurança?

Como deve ser feita a manutenção e a limpeza das máquinas?

Esta norma é do tipo C, conforme definido na NBR ISO 12100. A abrangência dos perigos que são considerados está indicada na Seção 4 desta norma. Além disso, esta norma especifica os requisitos de segurança essenciais aplicáveis ao projeto e à construção de máquinas fragmentadoras para plásticos (moinhos granuladores e trituradores).

A lista de perigos apresentadas na tabela abaixo é o resultado de uma identificação e avaliação de perigos realizadas conforme descrito nas NBR ISO 12100 e EN 12012-1, para máquinas fragmentadoras para plásticos (moinhos granuladores e trituradores), abrangidas por esta norma. Os requisitos de segurança e/ou medidas de proteção descritos nas Seções 5 a 7 são baseados na avaliação dos perigos apresentados na tabela 1. Estas Seções apresentam os perigos já identificados e os tratamentos para eliminá-los, ou a redução dos efeitos dos riscos gerados por estes.

 

 

A análise de risco pressupõe o acesso previsível por todas as direções, bem como a partida inesperada e parada de emergência. Os riscos para o operador e outras pessoas, que podem ter acesso a determinadas zonas de perigo, são identificados levando em conta os perigos que podem ocorrer sob várias condições (por exemplo, montagem, partida, produção, manutenção, reparação e desmontagem) durante a vida da máquina. Também inclui uma análise do efeito da falha no sistema de controle.

O usuário desta norma (projetista, fabricante, fornecedor) deve validar a apreciação de risco, verificando se está completa para a máquina em questão, com especial atenção para: o uso pretendido da máquina, incluindo a manutenção, configuração e limpeza, e sua má utilização razoavelmente previsível; a identificação dos perigos significativos associados à máquina. As máquinas fragmentadoras para plásticos (moinhos granuladores e trituradores) devem atender aos requisitos de segurança e/ou medidas de proteção descritas em 5.2 a 7.7.

Além disso, máquinas fragmentadoras para plásticos devem ser projetadas de acordo com os princípios da NBR ISO 12100, no que se refere aos perigos relevantes descritos e discutidos, porém estes perigos não são os significativos. Os perigos significativos a serem aqui considerados são os descritos na Seção 4. Para obter orientação sobre a apreciação e redução do risco do projeto, ver NBR ISO 12100, para as medidas de proteção, como fonte de referência.

O acesso à câmara de corte deve ser impedido por uma combinação de proteções fixas, móveis intertravadas e ajustáveis (ver NBR ISO 12100), exceto quando medidas alternativas estiverem especificadas em 5.3. O acesso aos outros perigos mecânicos deve ser impedido pela aplicação de medidas de proteção especificadas em 5.5. Todos os tipos de proteções devem ser selecionados, projetados e construídos em conformidade com as NBR NM 272 e NBR NM 273.

As dimensões e os princípios construtivos das proteções mecânicas devem cumprir os requisitos das NBR NM 272, NBR NM 273, NBR NM ISO 13852, NBR NM ISO 13853 e NBR NM ISO 13854. O intertravamento de todas as proteções móveis mencionadas nesta norma deve ser feito por meio de uma chave de segurança eletromecânica de abertura positiva ou magnética, codificada e monitorada por interface de segurança, estando de acordo com a ABNT NBR NM 273.

Em circunstâncias onde os materiais a serem moídos estão normalmente aguardando o carregamento/descarregamento, utilizando dispositivos de alimentação, o projetista deve dar atenção especial às condições dos serviços e fornecer dispositivos de proteção mecânicos adicionais para as partes dos sistemas periféricos que podem ser suscetíveis a danos mecânicos. As máquinas fragmentadoras para plásticos (moinhos granuladores e trituradores), quando forem automáticas, devem estar equipadas com um sistema de seleção de ajuste do modo de operação (manual/automática).

A seleção deste modo de operação deve ser conseguida por meio de uma comutadora com chave, ou um código de acesso, ou outro meio igualmente seguro. Nestes modos (manual e automático), as proteções devem estar fechadas e intertravadas, e/ou os dispositivos de proteção ativados para permitir a execução do ciclo de corte. Os dispositivos de seleção de modo, quando identificados pela apreciação de risco, devem garantir apenas um modo ativo em determinado momento.

A seleção do modo de operação em automático não pode iniciar o ciclo da máquina. Para os efeitos desta norma, “partes relacionadas com a categoria de segurança do sistema de controle” significa a cadeia de componentes desde a entrada do sinal de acionamento inicial (por exemplo, dispositivo de controle ou detector de posição) até a saída do comando do atuante final (por exemplo, contator, válvula de solenoide). As funções de controle devem ser tratadas como partes relacionadas com a segurança e atender aos requisitos das categorias da NBR 14153.

Os comandos de partida e de rearme devem ser instalados fora da proximidade do bocal de alimentação e devem ser ativados somente quando todas as proteções móveis intertravadas estiverem fechadas, como o fechamento completo do bocal de alimentação sobre a câmara de corte. Quando qualquer proteção intertravada estiver aberta, todas as partidas inesperadas e todos os movimentos perigosos não podem ocorrer, de acordo com a NBR ISO 12100.

O fechamento de uma proteção intertravada não pode resultar em uma reinicialização da máquina. Em moinhos granuladores ou trituradores de grandes dimensões, onde o operador não tenha visão a partir do posto de comando da totalidade da área de trabalho, um ou mais botões de rearme remotos devem ser instalados em posições que obriguem o operador a vistoriar todo o redor da máquina.

Estes botões de rearme remotos devem ser acionados antes da partida da máquina, prioritária e obrigatoriamente do botão de rearme do posto de operação, a fim de proteger as pessoas dos riscos que não estão visíveis. A função do dispositivo de parada de emergência deve ser fornecida em todos os tipos de configurações de máquinas. O número de dispositivos (botões de emergência) depende do tamanho da máquina.

Esta função de parada de emergência deve estar em conformidade com as NBR 14153, NBR 13759 e IEC 60204-1. A parada de emergência deve funcionar como categoria 0, de acordo com a IEC 60204-1. Os dispositivos de parada de emergência devem ser posicionados em locais de fácil acesso, atuação e visualização pelos operadores em seus postos de trabalho e por outras pessoas, e afastados da zona de perigo.

Também devem ser selecionados, montados e interconectados de forma a suportar as condições de operação previstas, bem como as influências do meio. Devem prevalecer sobre todos os outros comandos, a fim de provocar a parada da operação ou processo perigoso em período de tempo tão reduzido quanto tecnicamente possível, sem provocar riscos suplementares. Ao menos um ou mais dispositivos devem ficar posicionados perto do local do operador nas aberturas de alimentação e/ou área de descarga.

O acionamento do dispositivo de parada de emergência deve também resultar na retenção do acionador, de tal forma que, quando a ação no acionador for descontinuada, este se mantenha retido até que seja desacionado. Ao ser desacionado o dispositivo de emergência, nenhum tipo de partida da máquina pode ser originado. Para as máquinas que necessitam de sistema de parada de emergência classificado como categoria 3, conforme a NBR 14153, este sistema deve ser monitorado por interface de segurança, conforme IEC 60204-1, e possuir redundância nos dispositivos de saídas responsáveis pelo comando dos atuadores.

A parada de emergência deve acionar o freio em máquinas que o possuem. Os controles de parada de emergência devem ser fornecidos em todas as estações de controle da máquina (por exemplo, o painel de comando principal, e as estações de carregamento e descarregamento do material). Um dispositivo de parada de emergência adicional deve ser fornecido em qualquer área que não seja visível a partir do posto de comando operacional, onde as pessoas possam estar em risco.

O dispositivo de parada de emergência não pode ser utilizado como parada normal. Para moinhos granuladores de pequeno porte ou dotados de alimentação ou descarga automática, o dispositivo de parada de emergência pode ficar montado no painel de comando. O dispositivo de parada de emergência tem de estar posicionado próximo à abertura de alimentação e área de descarga.

Ao projetar a máquina, as informações e as medidas protetivas disponíveis para controle de ruído na sua fonte devem ser levadas em consideração, conforme as NBR ISO 12100, ISO/TR 11688-1 e ISO/TR 11688-2. As principais fontes significativas de ruído destes tipos de máquinas são listadas em 5.4.2. Todavia, estas fontes não são exaustivas, podendo existir outras fontes de ruído por ela não descritas.

Deve ser realizado ensaio de medição de ruído, medido conforme a legislação vigente, com a máquina completa em funcionamento, sem realizar qualquer tipo de operação de moagem. Quando o nível de ruído estiver acima do valor recomendado pela legislação vigente, para exposição sem uso de equipamento de proteção individual (EPI), o valor encontrado deve ser informado na documentação técnica da máquina.

O fabricante deve recomendar o uso de EPI: óculos; protetores auriculares; luvas protetoras (conforme aplicação); capacetes; e calçados de segurança. A máquina deve estar marcada no mínimo com: razão social, CNPJ e endereço do fabricante ou importador; informação sobre tipo, modelo e capacidade; número de série ou identificação, e ano de fabricação; peso da máquina; dados para sistemas elétricos, hidráulicos e pneumáticos (quando aplicável); faixas de rotação do rotor (quando aplicável); sentido de giro do rotor, indicado com uma seta; aviso de advertência para quando a máquina não está apta para o processamento de materiais inflamáveis, explosivos, tóxicos e materiais com riscos biológicos; e outros dados exigidos, conforme legislação vigente.

voltar