QUALIDADE – Notícias

02/07/2020

Deming e a Industria 4.0

Por Theo Paraschiva

Em julho de 1989 o Dr. Deming esteve no Brasil a convite da recém formada Autolatina para um seminário restrito a funcionários da empresa e convidados. Na abertura do evento o então presidente Wolfgang Sauer dá as boas vindas ao ilustre convidado e orgulhoso menciona que a joint venture entre VW e Ford se transformou na maior indústria automobilística da América Latina.

Ao assumir o púlpito, Dr. Deming abre seu discurso afirmando que ser a maior nada significa. Quero ver a tendência, mencionou ele.

Deu no que deu. O resto da história todos conhecemos.

Morto em dezembro de 1993, não teve a oportunidade de vivenciar os enormes avanços tecnológicos trazidos pela era digital e seus impactos na sociedade e mais recentemente na informatização da indústria.

Imagino uma situação hipotética onde pudéssemos entrevistá-lo sobre temas como a grande revolução nas comunicações trazidas pela internet comercial (1995 no Brasil), pelos smartphones, pelas tecnologias habilitadoras da Industria 4.0, realidade virtual, impressoras 3D, Big Data, inteligência analítica, robôs colaborativos, gêmeo digital, realidade aumentada, internet das coisas,  inteligência artificial, computadores orgânicos, sobre os carros autônomos, e as cidades inteligentes.

Tenho certeza de que ele ficaria impressionado com a velocidade das mudanças pois sempre mencionou a necessidade de as empresas inovarem, criando produtos e serviços que ajudassem as pessoas a viver melhor, mantendo-as competitivas a longo prazo. 

Infiro porem que, à semelhança da resposta ao Sr. Sauer, o Dr. Deming perguntaria o que vocês estão fazendo com tudo isso? Quais os indicadores? Qual a tendência?

P: A indústria está sendo mais produtiva?

R: Não exatamente Dr. Deming, a Produtividade da Industria caiu mais de 7% entre 2006 e 2016 segundo a ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.

P: O Brasil está aproveitando todo este avanço tecnológico e investindo em inovação?

R: O Índice Global de Inovação de 2019 (IGI) mostra que entre 129 países, o Brasil é o 66º mais inovador, caindo duas posições em relação a 2018 (Agência Sebrae de Notícias 24.7.2019)

P: O índice de desemprego caiu?

R: Segundo o IBGE, fechamos o ano de 2019 com Índice de Desemprego de 11%, equivalente a 11,6 milhões de pessoas.

P: O Índice de Desenvolvimento Humano IDH evoluiu?

R: Infelizmente não fizemos progressos neste indicador Dr. Deming. O Brasil ocupa a 79º posição no ranking do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), caindo uma posição. (G1 09.12.2019)

Então, do que adianta tanta tecnologia e inovação se não estão trazendo bons resultados para a competitividade da indústria e para a humanidade?

No livro que lancei em 1986 intitulado “Saia da Crise”, escrevi os 14 Princípios da Administração. Estes elementos fundamentais do negócio devem sempre estar na mente de qualquer administrador:

  • As empresas necessitam melhorar sua posição competitiva e proporcionar emprego a seus funcionários no longo prazo.
  • Não podemos continuar tolerando os níveis comumente aceitos de erros, falhas, materiais inadequados, pessoas engajadas em um trabalho sem saberem em que consiste, métodos inadequados e ineficientes.
  • A qualidade deriva do processo produtivo. A inspeção não melhora a qualidade, nem a garante.
  • Os fornecedores são a extensão dos nossos processos e devem ser tratados com uma relação de confiança e parceria de longo prazo.
  • Melhorem constantemente o sistema de produção e de serviço. A qualidade desejada começa com a intenção, que é determinada pela direção.
  • A administração tem que compreender e atuar sobre os problemas que privam o operário da possibilidade de executar seu trabalho com satisfação.
  • A função da administração não é supervisionar, e sim liderar. Os operadores devem se orgulhar de sua capacidade profissional.
  • Ninguém pode dar o melhor de si a menos que se sinta seguro.
  • O trabalho em equipe é uma necessidade crucial da empresa como um todo.
  • Os slogans, quadros e cartazes não melhoram a qualidade pois não levam em conta que os problemas são sistêmicos.
  • As cotas numéricas são incompatíveis com a melhoria contínua. Há caminhos melhores.
  • As barreiras que privam as pessoas pelo justo orgulho do trabalho bem executado deve ser eliminadas.
  • Uma organização não precisa somente de boa gente, mas de gente que se aprimora continuamente.
  • A transformação envolve a todos e cabe a administração explicar às pessoas o porquê da necessidade de transformação.

Encerrando a entrevista, imagino a mensagem final do Dr. Deming como sendo:

A quarta revolução Industrial é um processo irreversível, mas sem um sistema de gestão Lean, vocês estarão digitalizando o desperdício.  A filosofia Lean é a base de sucesso de todas estas novas tecnologias. 

Como consultor, tenho a oportunidade trabalhar com diversas empresas de diferentes segmentos e comprovar que os 14 Princípios da Administração de Deming nunca foram tão atuais e necessários.

Num caso recente, ao implantar a metodologia de reposição dos estoques de produtos acabados via Kanban, substituindo a programação tradicional de emissão de Ordens de Produção, a responsabilidade pela gestão dos estoques de produtos acabados e de matéria prima foi transferida ao pessoal operacional. Supervisores e operadores treinados, se transformaram em protagonistas deste processo, ao invés de cumpridores de ordens. Esta ferramenta simples trouxe significado e o orgulho pelo trabalho realizado ficou evidente.

Dr. Deming nos deixou um belo legado, como herdeiros, nos cabe a tarefa de dar continuidade.

_______________________________________________________________________Theo Paraschiva Consultor Senior da Ótima Estratégia e Gestão. Executivo especialista em Industria 4.0 e Gestão em Excelência Operacional Lean em manufatura e logística. Sólida experiencia com mais de 40 anos de atuação na implantação e aperfeiçoamento instalações industriais em indústrias como: FORD, CNH, TEREX e METALFRIO.

 

 

 

voltar