QUALIDADE – Notícias

13/07/2019

Rumo ao exterior para a saúde

Com o atual nível de disparidade de renda entre as nações, mesmo aquelas geograficamente próximas umas das outras, não é de surpreender que a oferta de serviços públicos possa variar muito de país para país. Isso é o caso mais rescente com a saúde, em que o fenômeno relativamente novo do “turismo médico” já está crescendo.

 

Paul Webster, 43, de Highbury, Londres, é um turista médico experiente que viajou ao exterior por vários procedimentos nos últimos cinco anos. Entre elas, a cirurgia estética na Tailândia, uma artroscopia do joelho na Índia após uma lesão no rúgbi e um disco deslocado na Cidade do Cabo, na África do Sul, onde passou o tempo de recuperação relaxando na piscina. Paul optou por ir para o estrangeiro para a cirurgia, como ele foi capaz de evitar uma lista de espera em seu hospital local e o custo do tratamento foi de cerca de 30% do custo do tratamento privado em casa. Mais recentemente, tendo lutado para encontrar um bom dentista local, a clínica odontológica de Paul está agora em Cracóvia, Polônia. Não é algo que a maioria das pessoas escolheria fazer a menos que realmente precisasse. Doença, a curto ou longo prazo, é desagradável e dolorosa o suficiente, mas viajar enquanto doente, para muitas pessoas, parece inconcebível. E ainda, para muitos mais, é exatamente o que deve ser feito. Muito simplesmente, se o país de origem de um indivíduo é incapaz, por qualquer motivo, de fornecer os cuidados de saúde necessários, por que eles não o procurariam em outro lugar? O turismo médico, como se tornou conhecido, é uma indústria em expansão e massiva. A organização Patients Without Borders estima que “o tamanho do mercado (para turismo médico) é de US$65 a 87,5 bilhões, com base em aproximadamente 20 a 24 milhões de pacientes internacionais gastando em média US$3.410 por visita, incluindo custos relacionados à medicina , transporte transfronteiriço e local, internação e acomodações". Por qualquer consideração, portanto, o turismo médico já é um mercado enorme e que, a curto e médio prazos, só é provável que cresça.https://www.iso.org/news/ref2407.html

voltar