QUALIDADE – Notícias

03/04/2017

A qualidade dos extintores de incêndio portáteis e sobre rodas

Da Redação

A NBR 15808 de 02/2017 – Extintores de incêndio portáteis especifica os requisitos que garantem a segurança, confiabilidade e desempenho dos extintores de incêndio portáteis do tipo recarregável e descartável. Para extintores descartáveis, o prazo de validade deve ser de cinco anos e sua carga nominal deve ser de até 1 kg. A NBR 15809 de 02/2017 – Extintores de incêndio sobre rodas especifica os requisitos que garantem a segurança, confiabilidade e desempenho dos extintores de incêndio sobre rodas.

Os extintores portáteis são classificados conforme o tipo do agente extintor e pressurização. Quanto ao tipo do agente extintor, à base d’água: água; líquido gerador de espuma (LGE). Pó: pó BC; pó ABC. Dióxido de carbono (CO2): Halogenado. Quanto ao tipo de pressurização, pressurização direta. Pressurização indireta: somente para extintores à base d’água e pó.

Os gases expelentes não podem ser inflamáveis. Devem ter ponto de orvalho inferior a -20 °C, exceto para os extintores à base d’água. Devem ser ar, argônio, dióxido de carbono, hélio, freon, nitrogênio ou mistura desses gases, para fins de detecção de vazamento. Quando o segundo gás na mistura apresentar porcentagem superior a 3%, isto deve ser declarado pelo fabricante.

O dióxido de carbono (CO2) só pode ser utilizado como gás expelente no extintor de pressurização indireta. Carga nominal é quantidade de agente extintor declarada pelo fabricante do extintor de incêndio. A tolerância de carga dos agentes extintores em relação à carga nominal deve ser a seguinte: à base d’água, ± 2%; pós para extinção: até 2 kg, inclusive, ± 5%; acima de 2 kg e até 6 kg, inclusive, ± 3%; acima de 6 kg, ± 2%; halogenado, -5%; e dióxido de carbono (CO2), -5%.

Toda válvula de descarga para extintores recarregáveis deve possuir a marca do fabricante e o modelo gravados de forma indelével e visível quando completamente montada. Vedantes líquidos ou pastosos, quando utilizados como auxílio à vedação entre a válvula e o cilindro/recipiente dos extintores de incêndio recarregáveis, não podem ser do tipo “trava-rosca” ou “trava química”, isto é, não podem ter por função o travamento químico.

Para extintores tipo dióxido de carbono, o corpo da válvula deve ser de latão forjado conforme ASTM B124/B124M ou usinado de laminado ou extrudado conforme ASTM B16/B16M. O corpo da válvula deve possuir uma área disponível de no mínimo 10 mm × 20 mm, para marcação do peso vazio (PV) e cheio (PC) do extintor completo. A rosca para acoplamento ao cilindro deve ser externa, do tipo NGT, conforme ANSI/CSA/CGA Standard V-1, e para acoplamento à mangueira, conforme ABNT NBR 8133 ou NPS da ANSI/ASME B 2-1. As peças internas da válvula devem ser de latão ou aço inoxidável austenítico, exceto as vedações. Para as molas, também é permitido o uso de aço-carbono.

Deve ser de fechamento automático, permitindo descarga intermitente. Deve possuir dispositivo antirrecuo de latão ou aço inoxidável austenítico. Deve possuir dispositivo de travamento que impeça o acionamento acidental. Deve possuir alça de transporte. Deve permitir a recarga do extintor, como também a desmontagem de seus componentes, sem sua remoção do cilindro. Todo extintor com capacidade nominal de carga acima de 2 kg deve ser provido de mangueira de descarga, para facilitar a direção do jato.

A mangueira de descarga deve possuir trama de material metálico entre as camadas de material plástico ou borracha, com terminais de material metálico não ferroso, usinado de laminado ou extrudado, ou aço inoxidável. A mangueira de descarga deve ser flexível, com comprimento mínimo de 750 mm, incluindo terminais, permitindo posicionar o difusor em qualquer direção. A mangueira de descarga deve suportar a pressão hidrostática de 25 MPa por no mínimo 1 min, sem apresentar vazamento, bolhas, deslizamento longitudinal ou radial, ou desprendimento dos terminais.

O corpo deve ser de liga metálica não ferrosa, forjado ou usinado de laminado ou extrudado. As molas para os extintores tipo à base d’água que estejam expostas ao agente extintor devem ser de aço inoxidável. A válvula de alívio deve entrar em funcionamento, quando a pressão interna do recipiente atingir uma faixa compreendida entre 1,2 x PNC e 2 x PNC, quando submetida ao ensaio de B.6.1. Quando em operação, a válvula de alívio não pode permitir que a pressão interna do recipiente ultrapasse 90% da PE. O mecanismo de intermitência da válvula de alívio deve garantir que o fechamento ocorra a uma pressão no mínimo igual à PNC. O sistema de regulagem da válvula de alívio deve ser protegido contra violação.

Quanto aos extintores sobre rodas, o cilindro para extintores tipo dióxido de carbono deve ser fabricado de acordo com as NBR 16357:2016, NBR ISO 9809-1:2014, NBR ISO 9809-2:2014 e NBR ISO 9809-3:2014, para uma mínima pressão de trabalho de 12,4 MPa. A rosca deve ser interna, do tipo NGT, conforme ANSI/CSA/CGA Standard V-1. O volume deve permitir conter toda carga nominal, atendendo a um fator máximo de enchimento de 680 g/L.

O cilindro deve possuir conformação do fundo que permita mantê-lo na posição vertical, quando apoiado no solo. Não é permitido qualquer processo de soldagem no cilindro. O orifício de inspeção deve ter diâmetro interno mínimo de 22 mm.

Quanto ao recipiente para extintores tipo pó, à base d’água e halogenado, deve ser fabricado com um dos seguintes materiais: aço-carbono laminado a frio, com teor de carbono máximo de 0,23%; aço inoxidável austenítico liga 304 L, conforme ABNT NBR 5601. Deve ser fabricado de forma que, ao ser submetido a PE, a tensão em qualquer parte do recipiente não ultrapasse: 80% da tensão de escoamento do material; e 50% da tensão de ruptura do material, ou a tensão máxima de 186 MPa.

A espessura da parede cilíndrica deve ser medida com o metal sem revestimento. A espessura das calotas deve ser medida em diversos pontos na seção transversal, após a conformação, e com o metal sem revestimento. Para a determinação da tensão que age no recipiente, as equações da Figura 1 devem ser respeitadas. Todo extintor com carga nominal acima de 10 kg deve possuir válvula de descarga na extremidade da mangueira.

O corpo da válvula deve ser de latão ou aço inoxidável austenítico, forjado ou usinado de laminado ou extrudado. As peças internas da válvula devem ser de latão ou aço inoxidável austenítico, exceto vedações. Para as molas, também é permitido o uso de aço-carbono. A válvula deve permitir descarga intermitente. A válvula de descarga deve suportar a pressão de 34 MPa por no mínimo 1 min, sem apresentar vazamento e deformações visíveis.

Todo extintor tipo pó, à base d’água e halogenado, pressurização direta, deve possuir válvula de descarga e esta deve possuir a marca do fabricante e o modelo gravados de forma indelével e visível quando completamente montada no recipiente. Um adaptador do mesmo material da válvula pode ser utilizado para acoplamento ao recipiente. Este deve atender aos mesmos requisitos de ensaios da válvula e também possuir dispositivo que permita liberar a pressão.

O corpo da válvula deve ser em aço inoxidável austenítico, ou de latão forjado, conforme ASTM B124/B124M, ou usinado de laminado ou extrudado, conforme ASTM B16/B16M. A haste de acionamento deve ser do mesmo material que o corpo da válvula, ou de aço inoxidável. As molas para os extintores tipo à base d’água que estejam expostas ao agente extintor devem ser de aço inoxidável. A válvula deve possuir rosca para acoplamento ao recipiente e dispositivo que permita liberar a pressão antes de sua retirada.

O mecanismo de acionamento deve ser manual e permitir abertura total em um movimento de único tipo, permanecendo nessa posição durante a descarga. A válvula deve possuir dispositivo que indique sua abertura total. A válvula deve suportar a pressão de ensaio (PE) por no mínimo 1 min, sem apresentar vazamento. A válvula deve suportar a pressão de ruptura (PR) por no mínimo 1 min, sem romper. Todo extintor deve ser provido de esguicho difusor, fabricado de material não metálico, provido de bucha metálica não ferrosa, com rosca conforme NBR 8133, com no mínimo cinco fios em contato no acoplamento.

O esguicho difusor, quando montado na mangueira de descarga, não pode apresentar trincamento ou quebra após ser submetido ao ensaio de impacto. Todo extintor de pressurização direta deve possuir indicador de pressão, para indicar de forma permanente sua pressão interna. O ponteiro deve ser de cor amarela e a sua extremidade, independentemente de sua forma geométrica, deve estar compreendida em um raio máximo de 0,25 mm. O ponteiro e o mostrador devem estar protegidos por cobertura transparente, para evitar violação.

voltar