QUALIDADE – Artigos

02/02/2019

Não trace muitas metas em 2019: identifique o que mais importa!

Por Ana Cruz

Parece um velho clichê dizer que quando um novo ano se inicia, tudo se renova e surgem novas intenções e propósitos. No entanto, se analisarmos bem, a vida muda a todo minuto e não apenas na virada do ano ou na troca do calendário. Ela traz satisfações, êxitos, impedimentos, surpresas – boas, outras nem tanto –, mas sempre oferece muito aprendizado.

É realmente no fim do ano, nas pausas para os feriados e as férias, que percebemos que o ano passou e mais um ciclo se encerrou. Alguns veem este período como somente mais um ano. Muitos, porém, vislumbram uma nova oportunidade de fazer as coisas de forma melhor e diferente, de estipular novos planos e tentar cumpri-los. E essa certamente é a maior motivação: recomeçar com o pé direito, seja chavão ou não.

Esse descanso no início de ano deve ser um período para reflexões, de analisar se a sensação é de “dever cumprido” ou de “insucesso”. Se for o caso negativo, é preciso identificar as justificativas: o que não foi feito? Onde a direção foi desviada? Valeu a pena pegar este atalho? Em que melhorou sua carreira? O que aprendeu? Quais são as suas prioridades? As metas traçadas foram cumpridas? O que descobriu fazer de melhor? Responder essas questões é importante para você se conhecer, se entender, perceber o que deu certo e errado, espelhá-las em seu momento e identificar as novas prioridades para seguir em frente.

Diante disso, não trace muitas metas para este ano: identifique o que de verdade importa. Trocar de emprego? Pedir uma promoção? Buscar trabalhabilidade? Mudar de segmento? Abrir um negócio próprio? Fazer uma especialização? Uma viagem internacional? Tirar um período sabático? Comprar uma casa ou um carro? Pequenos prazeres e realizações diárias definem quem é você.

Respeite seus limites. Não queira fazer tudo ao mesmo tempo, já que você corre o risco de deixar pela metade – ou pior – não realizar os projetos como gostaria, o que pode ocasionar um próximo fim de ano cheio de frustrações. Mas, se preferir traçar suas metas, faça isso estrategicamente – com direito a prazos, cronograma, análise de custos, logística e tudo o mais, pois é assim que elas se concretizam.

Três ressalvas no meu ponto de vista devem ser mantidas sempre, independentemente dos planos mudarem ou não: foco, valores e planejamento. Saiba onde quer chegar e também onde não quer; respeite seus interesses, reais convicções e não despreze boas influências externas. O tempo passa rápido demais e planejamento correto ajuda a não desperdiça-lo.

E, como mencionei logo no início, se alguns planos mudarem no decorrer do percurso, não tenha receio em refazê-los, afinal, a vida se renova e traz novas oportunidades a todo instante!

Ana Cruz é gerente de comunicação da Thomas Case & Associados, consultoria com mais de 40 anos de atuação na gestão de carreiras e RH.

voltar