QUALIDADE – Artigos

11/06/2015

Evite riscos de explosões: deve-se cumprir a norma de inspeção de redes de distribuição interna de gases combustíveis

Por Mauricio Ferraz de Paiva

Os gases combustíveis sofrem grande influência quando expostos a variações de pressão e/ou temperatura. Em sua maioria, podem ser liquefeitos, com o aumento da pressão e/ou a diminuição da temperatura. Quando liberados, são mantidos liquefeitos por ação da pressão e/ou da temperatura tendem a passar para o seu estado natural nas condições ambientais, ou seja, para o estado gasoso.

Durante a mudança do estado liquido para o estado gasoso, ocorre uma alta expansão do produto, gerando volumes gasosos, muito maiores que o volume ocupado pelo líquido. A isto se denomina taxa de expansão.

Nos vazamentos de produtos liquefeitos, deverá ser adotada a preferência ao vazamento na fase gasosa, em vez do vazamento na fase liquida. Em consequência, uma propriedade físico-química relevante, a ser considerada no atendimento a vazamentos dos gases combustíveis, é a densidade do produto em relação à densidade do ar.

Os mais densos que o ar tendem a se acumular ao nível do solo e, consequentemente, terão a sua dispersão dificultada quando comparada à dispersão dos gases com densidade próxima ou inferior à densidade do ar. Um outro fator, que também dificulta a dispersão dos gases, é a presença de grandes obstáculos existentes nas edificações nas áreas urbanas.

Alguns gases são considerados biologicamente inertes, ou seja, não são metabolizados pelo organismo humano mas, sob certas condições, podem representar riscos ao homem. Todos os gases, exceto o oxigênio, são asfixiantes.

Grandes vazamentos, mesmo de gases inertes, reduzem o teor de oxigênio nos ambientes fechados, causando danos que podem culminar na morte das pessoas expostas. Assim, em ambientes confinados, deve-se monitorar a concentração de oxigênio, constantemente.

Nas situações onde a concentração de oxigênio estiver abaixo de 19,5% em volume, deverão ser adotadas medidas, no sentido de restabelecer o nível normal de oxigênio, ou seja, em torno de 21 % em volume. Essas medidas consistem, basicamente, na ventilação natural ou na ventilação forçada do ambiente em questão.

Tragédias, como incêndios e explosões em prédios podem ocorrer, associadas à instalação, operação e manutenção inadequadas dos equipamentos. Não se pode falar que no Brasil não há regulamentação para as instalações prediais para suprimento de gás combustível em prédios e residências. Elas têm por objetivo a alimentação de fogões domésticos e aquecedores de água ou mesmo algum outro equipamento que haja necessidade.

De maneira geral, há duas formas de o gás combustível chegar às residências: por caminhões que abastecem centrais que contém recipientes transportáveis ou estacionários com Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) ou por meio de redes de distribuição pública Gás Natural (GN). O GLP é um gás composto em sua maior parte de propano (C3H8) e butano (C4H10), podendo ainda incluir em menores proporções o etano, metano, além de produtos insaturados como o propeno e o buteno. O projeto e execução de uma instalação de gás GLP em edificações devem seguir as normas técnicas e também os regulamentos e legislação de prevenção e combate a incêndios e códigos de obras municipais.

Os sistemas de gás centralizado, também conhecidos como sistemas de gás combustível centralizado, são constituídos basicamente das seguintes instalações: central de GLP onde ficam armazenados os cilindros de gás; a rede de canalizações ou tubulações que levam o gás combustível até as diversas unidades da edificação ou pontos de consumo; e medidores de consumo individuais. Já o gás natural é uma energia de origem fóssil, mistura de hidrocarbonetos leves entre os quais se destaca o metano (CH4), que se localiza no subsolo da terra e é procedente da decomposição da matéria orgânica espalhada entre os extratos rochosos.

O Código de Defesa do Consumidor brasileiro sistematizou a responsabilidade civil do fornecedor lato senso em duas grandes categorias, as quais apresentam regulamentação um pouco distinta uma da outra, quais sejam: a responsabilidade civil pelo fato do produto e do serviço, a qual tem como fundamento a ofensa a um direito extrapatrimonial, estando prevista nos artigos 12 a 17 do CDC; e a responsabilidade civil pelo vício do produto e do serviço, a qual tem como fundamento a ofensa a um direito patrimonial, estando prevista nos artigos 18 a 25 do CDC.

Dessa forma, sempre que o vício ou defeito ultrapassar a própria matéria do objeto (produto ou serviço) e atingir o consumidor, isto é, provocando um dano extrapatrimonial ao consumidor, fica-se diante de um fato do produto ou serviço. Os produtos e serviços considerados defeituosos são os que não apresentam a segurança legitimamente esperada, causando dano à vida, saúde ou segurança ocasionado por produto ou serviço. Também é considerado defeito as situações das quais decorrem prejuízo lateral.

A NBR 15923 de 02/2011 – Inspeção de rede de distribuição interna de gases combustíveis em instalações residenciais e instalação de aparelhos a gás para uso residencial – Procedimento estabelece os requisitos mínimos exigíveis para a inspeção de redes de distribuição interna de gases combustíveis em instalações residenciais, conforme NBR 15526 (em suas partes aparentes), e de instalação de aparelhos a gás para uso residencial, conforme NBR 13103. As regulamentações legais (leis, decretos, portarias; nos âmbitos federal, estadual ou municipal) devem ser observadas. Esta norma pode ser aplicável, por exemplo, às seguintes situações: rede de distribuição interna em uso: na sua inspeção periódica; na substituição do tipo ou fornecedor do gás; na sua reforma ou ampliação; na substituição ou instalação de aparelhos a gás; rede de distribuição interna nova: na liberação para comissionamento do gás combustível; e na instalação de aparelhos a gás.

No desenvolvimento das atividades de inspeção estabelecidos nesta norma, deve-se levar em consideração a necessidade de esclarecimentos com antecedência à execução do serviço e a adequada coordenação entre os inspetores e o consumidor ou seu preposto (administrador, síndico, outros representantes legais). O resultado da inspeção deve constar em documento a ser entregue ao responsável da instalação.

A inspeção das instalações deve compreender, conforme o caso, uma ou mais das seguintes etapas: levantamento de projeto e antecedentes; inspeção da rede de distribuição interna; inspeção da instalação dos aparelhos a gás; e inspeção do sistema de exaustão. Os critérios de aceitação dos itens a serem inspecionados são detalhados no Anexo A.

Os instrumentos de medição devem estar calibrados e rastreados a padrões reconhecidos pelo Inmetro. Esses instrumentos devem estar devidamente identificados. O Anexo B apresenta uma sugestão para os equipamentos e instrumentos a serem utilizados na inspeção.

A inspeção deve ser realizada a partir de projeto final (as built), quando existente, que inclui as modificações e alterações aprovadas. A inspeção é iniciada com o levantamento do histórico da instalação, quando existente, quanto às inspeções anteriores, manutenções e acidentes.

Devem ser verificadas as diferenças entre o projeto e a situação real da instalação nos seguintes itens: a compatibilidade entre projeto e situação encontrada; e a compatibilidade da potência dos aparelhos a gás entre projeto e aparelhos instalados. Caso não seja possível obter as informações referentes ao projeto aprovado, deve-se registrar essa informação na documentação a ser emitida e a inspeção deve ser realizada apenas com base na verificação das partes visíveis da rede.

A inspeção da rede de distribuição interna consiste em avaliar as condições de segurança e conformidade da rede de distribuição interna, o material utilizado na tubulação e nas suas conexões, as interferências com outras instalações prediais e a sua estanqueidade, inclusive o abrigo de medidor e/ou regulador. Deve ser realizada a inspeção visual no traçado da rede de distribuição interna (partes aparentes), verificando: afastamentos das instalações elétricas; afastamentos ou interferências com as demais instalações; encaminhamento da tubulação da rede; condições de conservação dos elementos de suportação; e identificação da tubulação de gás através da pintura na cor padrão ou da etiqueta com a palavra “gás”.

Enfim, enquanto houver por parte do poder público e de outras instituições, como a ABNT e outras associações, a defesa de que as normas técnicas são voluntárias, as tragédias e acidentes de consumo só tendem a aumentar. E única forma é responsabilizar as empresas e essas associações na Justiça.

Seguir uma norma técnica implica em atender a especificações que foram analisadas e ensaiadas por especialistas. Isso significa que a empresa terá, provavelmente, menos gasto de tempo e dinheiro com produtos que não tenham a qualidade e desempenho desejáveis.

A utilização de uma norma pode reduzir suas despesas em pesquisas e em desenvolvimento, bem como reduzir a necessidade de desenvolver peças ou ferramentas já disponíveis. Além disto, a utilização de uma norma de sistema de gestão pode permitir a dinamização de suas operações, tornando seu negócio muito mais eficiente e rentável.

Aplicando as normas pertinentes, pode-se assegurar que seus produtos ou serviços são compatíveis com aqueles fabricados ou fornecidos por outros. Essa é uma das mais efetivas formas de ampliar o seu mercado, em particular o de exportação.

Tanto os regulamentos técnicos como as normas técnicas são obrigatórios. Assim, isso pode auxiliar as empresas no cumprimento das suas obrigações legais relativas a determinados assuntos como segurança do produto e a proteção ambiental. Haverá impossibilidade de vender os produtos e serviços em alguns mercados a menos que estes atendam certos critérios de qualidade e segurança. Estar em conformidade com normas pode poupar tempo, esforço e despesas, dando a tranquilidade de estar de acordo com as responsabilidades legais.

Mauricio Ferraz de Paiva é engenheiro eletricista, especialista em desenvolvimento em sistemas, presidente do Instituto Tecnológico de Estudos para a Normalização e Avaliação de Conformidade (Itenac) e presidente da Target Engenharia e Consultoria.

voltar